Para falar de gente, de seres humanos, do bicho humano perfectível, apesar de tudo. Do Animal sapiens, mas a partir de agora do "Homo spiritualis", com sua fé e religiosidade muitas vezes confusa, gerando preconceitos, discriminações.

20
Nov 12
publicado por animalsapiens às 09:33

17
Nov 12

Além dos cafezais

Agora sei que consigo partir

Já me despedi da rosa amarela, da branca margarida,

do amor perdido em meio aos cafezais.

Deixo contigo o velho cantil, a boina vermelha,

e algumas gotas

do meu querer derramado no chão.

O sonho eu o reparto ao meio

Mesmo assim ele ainda fica inteiro

porque sonhos sangram, sonhos movem,

sonhos se renovam,

viram prisão ou jardim

e entre prisões e jardins

nascem brotos de liberdade.

 

Deusa Ilário, AP-Brasil

 
publicado por animalsapiens às 10:32

26
Ago 12
publicado por animalsapiens às 14:17

07
Ago 12

Personagem



Cecília Meireles

Teu nome é quase indiferente
e nem teu rosto mais me inquieta.
A arte de amar é exactamente
a de se ser poeta.

Para pensar em ti, me basta
o próprio amor que por ti sinto:
és a ideia, serena e casta,
nutrida do enigma do instinto.

O lugar da tua presença
é um deserto, entre variedades:
mas nesse deserto é que pensa
o olhar de todas as saudades.

Meus sonhos viajam rumos tristes
e, no seu profundo universo,
tu, sem forma e sem nome, existes,
silêncio, obscuro, disperso.

Teu corpo, e teu rosto, e teu nome,
teu coração, tua existência,
tudo - o espaço evita e consome:
e eu só conheço a tua ausência.

Eu só conheço o que não vejo.
E, nesse abismo do meu sonho,
alheia a todo outro desejo,
me decomponho e recomponho.

publicado por animalsapiens às 23:13

22
Jul 12

A página em branco!

by Antonio Ozaí da Silva

Uma página em branco, o que escrever? Antes, era a folha e a dificuldade da ideia inicial, da palavra, da frase que desse sentido e facilitasse a abertura das comportas para a reflexão escrita. As tentativas, o amassar e jogar o papel fora. O primeiro livro que escrevi foi escrito em papel e datilogafrado; alguns dos trabalhos na graduação também. Minha irmã ajudou-me muito. Ela era mais avançada e tinha uma máquina de datilografar eletrônica e eu ficava admirado com a rapidez que datilografava. Ainda hoje, sou grato.

Recordo do tempo da graduação, quando não havia as facilidades do computador. Meu primeiro trabalho acadêmico foi entregue por escrito. Talvez a professora tenha encontrado dificuldades em decifrar a minha caligrafia; talvez ela preferisse datilografado. Logo depois, ela me presenteou com uma máquina datilográfica portátil. Na verdade, quase não usei, pois não tinha a destreza necessária para datilografar.

Quando iniciei o mestrado ainda não tinha computador, as minhas condições econômicas não permitiam. Depois, consegui adquirir um PC que, na época, era top de linha. HD de 1.2 GB, Windows 95, acesso discado à internet, memória 16 MB. Tecnologia avançada! Nunca precisei levar à manutenção, mas logo se tornou obsoleto. O desenvolvimento tecnológico é incrível. Fico admirado com os recursos disponíveis na atualidade, mas também com a rapidez como os produtos tornam-se inúteis, peças de museu, lixo tecnológico. Sou de um tempo em que a TV era de válvulas – era preciso esperar esquentar para as imagens ficarem nítidas –, de uma época em que o chique era usar um bip, da máquina de datilografia mecânica, da máquina de fotografia com filmes de 12, 24 ou 36 poses – que exigia saber utilizar bem, tirar as fotos necessárias, especiais –, do tempo do toca-discos e LP de vinil. Como as coisas mudaram! Que bom viver a era da banda larga e poder usufruir de todos os recursos que a Internet possibilita; sou feliz por estar vivo no tempo da TV Digital, dos filmes disponíveis na rede, da música em MP3, etc.

As novas tecnologias transformaram o mundo, as sociedades, as relações humanas. Se compararmos com o passado recente, estamos diante do admirável mundo novo! Não obstante, o mundo novo prometido pela revolução tecnologia não está disponível para todos; a maioria permanece excluída. Os reais benefícios da nova era não estão ao alcance de todos. Por outro lado, a tecnologia oferece meios para maior controle dos selvagens, ao mesmo tempo em que mantém os civilizados alienados em seus mundinhos e espaços virtuais.

Por maior que sejam as possibilidades oferecidas pelo avanço da tecnologia, os dilemas essenciais da condição humana permanecem os mesmos. O computador mais moderno não substitui a criatividade, a razão e os sentimentos humanos. O melhor programa da Microsoft ou Linux não geram textos sem a intervenção humana. O acesso à melhor tecnologia não transforma ninguém em escritor. Entre a primeira letra e o ponto final, o primeiro caractere e o último, é preciso o raciocínio e habilidade humana para se comunicar pela escrita. Ninguém se torna bom escritor apenas por ter caneta e cadernos volumosos com folhas em branco ou possuir o computador de última geração. A tecnologia é apenas um instrumento. Enquanto tal, os usos e abusos podem ser vários. De qualquer forma, é preciso aprender a usá-la. No que diz respeito à escrita, é necessário ter a capacidade de superar a postura consumista e reprodutora de informações. É preciso ter o que comunicar e saber fazê-lo. Escrever é mais do que juntar palavras, ainda que a internet facilite o copiar, colar, editar e, até mesmo, o auto-plágio. A página em branco continua sendo uma página em branco!

Antonio Ozaí da Silva | 21/07/2012 em 22:30 | Categorias: reflexões do quotidiano | URL: http://wp.me/pDZ7T-uX

 

Comentário    Ver todos os comentários

Unsubscribe or change your email settings at Manage Subscriptions.

Problemas ao clicar? Copie e cola esta URL em seu navegador:
http://antoniozai.wordpress.com/2012/07/21/a-pagina-em-branco/

publicado por animalsapiens às 13:42

21
Jul 12
publicado por animalsapiens às 01:42

12
Jul 12
publicado por animalsapiens às 11:56

03
Jul 12

Ser Mineiro - Carlos Drummond de Andrade

Ser Mineiro é não dizer o que faz, nem o que vai fazer,
é fingir que não sabe aquilo que sabe,
é falar pouco e escutar muito,
é passar por bobo e ser inteligente,
é vender queijos e possuir bancos.

Um bom Mineiro não laça boi com imbira,
não dá rasteira no vento,
não pisa no escuro,
não anda no molhado,
não estica conversa com estranho,
só acredita na fumaça quando vê o fogo,
só arrisca quando tem certeza,
não troca um pássaro na mão por dois voando.

Ser Mineiro é dizer "uai", é ser diferente,
é ter marca registrada,
é ter história.
Ser Mineiro é ter simplicidade e pureza,
humildade e modéstia,
coragem e bravura,
fidalguia e elegância.

Ser Mineiro é ver o nascer do Sol
e o brilhar da Lua,
é ouvir o canto dos pássaros
e o mugir do gado,
é sentir o despertar do tempo
e o amanhecer da vida.

Ser Mineiro é ser religioso e conservador,
é cultivar as letras e artes,
é ser poeta e literato,
é gostar de política e amar a liberdade,
é viver nas montanhas,
é ter vida interior,
é ser gente.

Carlos Drummond, permita-me completar? Ser mineiro é ser montanha. Ser diamante e também saber ser carvão.
Regina Márcia

http://jeitinhomineiro.blogspot.com.br/2012/03/ser-mineiro-carlos-drummond-de-andrade.html

publicado por animalsapiens às 12:20

26
Jun 12

Recadinhos ternurentos

"Pois, hoje, eu escolho soltar o pensamento em devaneios,

sem peias ou limites.

Deixar que o real e o surreal se unam em algo que possa representar

a vida esperada, estranhamente sentida.

E no vaso em que você plantou um lírio branco,

vai nascer, ao lado, uma esperança!" (Paulo)

Essa esperança me fará cigana que

corre mundos, que mora nos fundos daquela estrada

Que faz o tudo-nada ler as linhas de suas mãos.

Eu vou captar seus pensamentos no cedinho das manhãs

Enlaçá-los com nós bem apertadinhos

Acorrentá-los na varanda do silêncio

e deixar que os nossos sentimentos ditem os limites

de nossos sonhos.

Beleza e criatividade são essências das mãos

que tecem sensibilidades e aprendem

a cultivar lírios brancos perfumados de amor

e doces esperanças

que seguem as incertezas dos tempos!

 

Beijo carinhoso, Paulo!

Deusa

publicado por animalsapiens às 21:10

02
Jun 12




http://www.culturalivre.net/wp-content/uploads/2010/02/POEMA-HOJE-GIF.gif
publicado por animalsapiens às 12:03

Janeiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO