Para falar de gente, de seres humanos, do bicho humano perfectível, apesar de tudo. Do Animal sapiens, mas a partir de agora do "Homo spiritualis", com sua fé e religiosidade muitas vezes confusa, gerando preconceitos, discriminações.

30
Dez 11

 por Paulo R. Santos

 

Sabemos que o calendário é uma convenção meramente humana para contar a passagem do tempo, ou para situar os acontecimentos de modo a torná-los conhecidos no tempo e no espaço, e recuperá-los de algum modo. Pode servir como referência de análises e reflexões para mudanças pessoais ou coletivas, a depender de como se toma consciência das implicações dos fatos em nossas vidas. Podemos ser mais ou menos infelizes, conforme as escolhas e decisões.

 

De um modo geral, a passagem do ano é meramente simbólica, sem efeitos práticos ou mudanças reais na vida pessoal ou coletiva. Nos acostumamos a viver um círculo vicioso – raramente num círculo virtuoso -, como os bois do excelente filme “Abril despedaçado” (coprodução Brasil-França-Suiça, de 2001, com Rodrigo Santoro e direção de Walter Sales) que caminham mecanicamente em torno da bolandeira (um tipo de moenda), mesmo sem a canga que os atrela quase diariamente ao mecanismo.

 

O filme nos remete à tirania dos hábitos e costumes, e ao esforço e alto preço em romper com essa tirania. Ato de libertação e remissão indispensável. 'Abril despedaçado' é uma bela metáfora da vida humana, e um daqueles filmes baseados em livro que nos permite tornar o local em universal.

 

Os anos se sucedem e nos vemos tiranizados pelas mesmas coisas, pelos mesmos costumes, leis, dogmas e hábitos que infelicitam, muitas vezes sem forças suficientes ou condições de mudar o rumo dessas coisas. No filme citado, é a morte sacrificial do irmão mais novo que liberta o irmão mais velho, que evita o sertão e toma uma nova estrada, literalmente, em direção ao mar, símbolo da vida em abundância.

 

Criamos uma sociedade hipócrita, sádica e cínica. A bolandeira com sua canga presa ao pescoço de cada um - mesmo que já não a sintamos mais - nos faz repetir as mesmas coisas, contrariando promessas e desejos de mudanças. O esforço necessário para romper com o mecanismo tirânico é demasiado para a maioria das pessoas, embora tenha que ser feito, … algum dia.

 

O moralismo vigente, seja social, político ou religioso, funciona como mecanismo de controle social e individual. Um jugo nada suave e um fardo nada leve ! As condições da vida atual, com ou sem passagem simbólica dos tempos, mantém o distanciamento da própria realidade e da própria realização. As interdições para o reconhecimento e experimentação dos próprios sentimentos são diversas e os apelos – vários - desfocam e desviam, auxiliados por essa neblina que nos impede de antever o futuro com um mínimo de segurança.

publicado por animalsapiens às 11:11

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Dezembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

13
17

20
22
24

26
28
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO