Para falar de gente, de seres humanos, do bicho humano perfectível, apesar de tudo. Do Animal sapiens, mas a partir de agora do "Homo spiritualis", com sua fé e religiosidade muitas vezes confusa, gerando preconceitos, discriminações.

27
Out 11

O “apagão educacional” no Brasil.

 

Ontem, 18/02/08, o senador Cristovan Buarque assumiu a tribuna do Senado Federal e fez críticas e autocríticas sobre a precariedade do sistema de ensino brasileiro, disfarçada sob toneladas de números.

 

Jovens que entram, mas não permanecem nas escolas do ensino fundamental ao superior, o baixo nível de aprendizagem, analfabetismo funcional, precariedade de muitas instituições, recursos didáticos escassos, alunos despreparados, professores desmotivados, corpo diretivo autocrático e muitas coisas mais que precisam de solução para viabilizar o futuro próximo do país.

 

Além da função política da educação, o que a coloca - sempre - sob a supervisão e controle direto das chamadas elites dominantes, temos outro fato preocupante que é uma crônica e histórica doença da qual padece o sistema educacional brasileiro: o burocratismo (ou talvez devesse ser chamada de “burocratose”).

 

O mau exemplo vem de cima. Do MEC. Um órgão federal historicamente controlado por maioria de tecnoburocratas e poucos educadores. Trabalham com estatísticas, números, diagnósticos e prognósticos quase sempre em desacordo com pesquisas realizadas por organismos internacionais, como a ONU. O fato é que, o Brasil, uma das potências econômicas do planeta, tem permanecido no fim da lista quando se trata do nível de letramento, de conhecimentos gerais e domínio do idioma.

 

A exemplo do MEC, mesmo para decisões simples, acredita-se na necessidade de criar Comissões ou fazer “n” reuniões, das quais saem poucos resultados. Dizem que Napoleão Bonaparte, quando pressionado por interesses diversos, nomeava Comissões e deixava que o assunto caísse no esquecimento ou que se resolvesse por si mesmo. O tempo, o “fazedor de sínteses”, se encarrega de dar soluções a muitas coisas.

 

A continuar assim, será difícil vencer os obstáculos ainda existentes na educação e na formação dos educadores brasileiros. A indisciplina em sala de aula, o desinteresse de muitos alunos, e mesmo certa dose de violência psicológica percebida em salas de aulas, têm suas raízes nesse mecanismo perverso que não segue o fluxo do tempo: o burocratismo.

 

Paulo R. Santos

publicado por animalsapiens às 13:54

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Outubro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9

20




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO