Para falar de gente, de seres humanos, do bicho humano perfectível, apesar de tudo. Do Animal sapiens, mas a partir de agora do "Homo spiritualis", com sua fé e religiosidade muitas vezes confusa, gerando preconceitos, discriminações.

09
Set 11

"Já não amo a América"

01/09/11 "Já não amo a América"

O escritor Pedro Paixão partiu para Nova Iorque pouco tempo depois dos ataques terroristas de 2001. Num texto inédito, explica como digeriu aquela nova realidade. "Se a Europa morreu nos fornos de Auschwitz, a América sofreu um ataque cardíaco no 11 de Setembro", afirma.

Eu amei a América

Antes de ir pela primeira vez à América eu já amava a América. Na verdade, eu já tinha estado na América antes de lá ir pela primeira vez. Para dizer a verdade inteira: eu nasci na América, lá ir foi apenas regressar. Soube disso mal aterrei no aeroporto de Nova Iorque e depois, durante muitos anos, falando, vendo, lendo, ouvindo e escrevendo, fui sabendo melhor porque nasci na América, e a amei por isso.

O amor é um sentimento confuso: não tem fronteiras fixas, razões que lhe bastem, é inútil tentar controlá-lo: é ele que nos apanha, nos leva consigo e depois nos deixa, para que, sempre outro e o mesmo, tome de novo conta de nós. A América foi o lugar que permitiu ao meu avô materno vencer a fome e a miséria, o primeiro, da minha minúscula família, a ler livros e jornais, a apreciar música, a cultivar o ócio que permite pensar. Nunca deixo de lho agradecer e pedir ao meu filho que nunca esqueça de onde viemos. A minha família nasceu na América – curiosamente numa pequena cidade a uns dez quilómetros do lugar onde foi construída por judeus portugueses, livrados do Santo Ofício da Inquisição, a primeira sinagoga da América do Norte, com o peculiar nome de Touro.

Voltei a nascer na América quando quis ser astronauta e vivi empolgado, com oito ou nove anos, a fantástica aventura da conquista espacial. Depois nunca mais deixei a América. Eu acreditei que a justiça, sempre de novo derrotada, vivia na América, que John Ford era mais do que realizador de cinema mas quem fizera do cinema a arte do século XX, que nada seria mais fascinante do que passar uma tarde com o Andy Wahrol a falar do que a América quer dizer. E, como se não bastasse, havia o Pollock e o Rothko, e havia o Miles e o Chet, e havia Duchamp e Frank Lloyd Wright, e uma maravilhosa criança chamada Marilyn Monroe. E ainda teve tempo de inventar tudo o que faltava inventar: a luz eléctrica, a pílula, a internet. Claro que ninguém pode ignorar a violência, a discriminação, as bombas de napalm. A América não é um país com problemas. A América é o país que mais problemas tem, sempre teve. Tudo está na vontade de os resolver. E a América, é, sempre foi, antes de mais, vontade.

Eu já não amo a América. Estou cansado, velho e desiludido. Se a Europa morreu nos fornos de Auschwitz, a América sofreu um ataque cardíaco no 11 de Setembro. Ter ganho a Guerra Fria, oferecendo-nos cinquenta anos de paz e riqueza, deixou-a falida económica e, sobretudo, moralmente. Já não tem alma para gritar: somos os melhores, porque o merecemos. A liberdade, não de escolher entre isto ou aquilo, mas de poder fazer o que deve ser feito, custe o que custar e sem aguardar recompensa, perdeu a sua última possibilidade. Num mundo estilhaçado onde já ninguém sabe quem é, berrando o contrário, a vontade da América deixou de querer ser simplesmente o que é, vontade. Deixei de amar a América. Não vou amar mais.

 

Pedro Paixão

www.sapo.pt

publicado por animalsapiens às 11:57

 

independencia del Brasil (breve relato en Guarani)

BRASIL SÃSO REMBIASA’IMI (7 jasyporundy 1822)

Táva Río de Janeiro-pe oñembyaty reraguapy ojejerurehápe Don Pedro topytánte hağua Brasil-pe.  Ko kuatia oñemoğuahẽ Don Pedro-pe 9 jasyteĩ 1822-me, ko tembiapo ojapo  José Clemente Pereira, ha’éva Cámara de Senadores myakãhára Rio de Janeiro-pegua. Péicha pe Príncipe Regente ndojapói omondóva ichupe Cortes-pegua ha opyta Brasil-pe. Ko mba’e ojapo oñandu haguére pe temiandu oĩva upérõ omyakãva José Bonifácio de Andrada e Silva. Ko mba’e oñemomarandu Don Pedro-pe 24 jasypakõi 1821-me ha oje’e ojehechavaiha Corte Lisboa-pegua rembiapo. Don Pedro omyasãi Gazeta de Río de Janeiro, 8 jasyteĩ 1822-me, ha hetápe omomỹi. Pa ára rire José Bonifácio ha aty ohóva hendive omoğuahẽ terarysýi karai principe oikuaa hağua. Upe árape Don Pedro oñe’ẽmondo José Bonifácio opyta hağua ministro del Reino ha pytagua rehegua, ko mba’e omombareteve tetãyguakuérape, ojupi haguére peteĩ rapái, araka’eve upéva ndoikói’akue. Joyke’ykuéra Andrada, José Bonifácio, Antônio Carlos ha Martim Francisco, herakuã mbarete polítikokuéra apytépe ha tavayguakuéra renondépe.

Péicha jasypópe pe ñokarãi imbaretevéma Don Pedro ha Corte-kuéra apytépe. Upévare principe regente oñe’ẽmondo: opa mba’e ojejaposéva Brasil-pe katuete oguerahava’erã “tojejapóke” che aheraguapýva, péva he’ise Brasil hekosã nungáma ohóvo, ko mba’e ha’e ojapo haguére 13 jasypópe, Senado Cámara Río de Janeiro-pegua ombohéra chupe ha ipehẽnguekuérape “Brasil pysyrõhára opaite árape”.

Oñehenói ojejapo hağua Convención Constituyente ojehechakuaa hağua tekotevẽha ñemosãsóre. Ohasávo jasy ojehecha opavave temiandu, péicha Pedro oho Sao Paulo-pe oikuaa hağua okaraygua oĩmbápa pe ojeipotáva ndive. Ojevývo Río de Janeiro, 10 jasypondýpe oñemoğuahẽ ichupe mokõi kuatiañe’ẽ peteĩva José Bonifácio, ojeruréva omondoho hağua jekupyty metrópoli ndive, ha ambue hembirekógui María Leopoldina, he’íva ha’e omoirũha ministro mba’e rembipota. Upépe Pedro ojere omaña iñirũnguéra rováre ha he’i “Che irũnguéra Corte portuguesas ñandeguerekose ipoguýpe ha jejahéipe. Ko ára guive jajehekýi chuguikuéra. Ndaipóri mbe’eve ñanemoirũva gueteri hendivekuéra” oipe’a brazalete hovy ha morotĩva Portugal rechaukaha, ha ombojoapy “Peipe’a brazalete pende jyvágui che irũnguéra. Ñamomaitei Sãso, Portugal poguýgui ñesẽ, ha espada ipópe he’i jey “Che ruguýre, cheréra, ha Tupãre, añe’ẽme’ẽ Brasil-pe ame’ẽva’erã : ¡Sãso térã mano! Péicha Brasil isãso Portugal-gui 7 jasyporundy 1822-me.

 

Ombohasa Matilde Galeano

marandu Wikipedia-gua

 

http://cafehistoria.ning.com/profiles/blogs/independencia-del-brasil-breve-relato-en-guarani

publicado por animalsapiens às 11:39

Setembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO