Para falar de gente, de seres humanos, do bicho humano perfectível, apesar de tudo. Do Animal sapiens, mas a partir de agora do "Homo spiritualis", com sua fé e religiosidade muitas vezes confusa, gerando preconceitos, discriminações.

10
Ago 11

"Vem se tornando mais comum a cada dia no consultório: pessoas infelizes e angustiadas porque não conseguem atingir a estabilidade. Querem casar, querem descasar. Querem um emprego, não querem mais o emprego. Querem tudo, não querem coisa alguma. Enveredam em uma cruzada de matéria e anti-matéria e terminam se perdendo em um mundo de ansiedade cega e, porque não dizer, completamente burra.

Desabam em um penhasco de desânimo porque queriam finalmente chegar em um porto de estabilidade, um mar sereno de coisas tranquilas - mas este destino é como o fim do arco-íris: quanto mais você persegue, mais ele se distancia.

- Por que nada parece dar certo, doutor? - e chora.

Fico pensando. Ofereço um lenço ou um daqueles chapéus bicudos dos filmes americanos escrito "donkey"?

Tsc tsc. Nada dá certo? Um brinde a todas as outras oportunidades que podem dar certo! A estabilidade nunca chega? Um brinde enorme ao fato de que tudo muda! Até porque, se você é daqueles que acha que só será feliz quando atingir a estabilidade, deixe-me lhe dizer algumas coisas:

A cada 3 meses, 10% do seu esqueleto se renova. Isso significa que, daqui a uns 3 anos, esses ossos que você tem aí não estarão mais aí. Serão outros ossos. Esses que sustentam seu corpo enquanto você lê este texto, bom, esses ossos serão um esqueleto do passado, urinado pelo seus rins e excretado em outros sais minerais nas suas fezes.

Uma instabilidade contínua que se transforma em estabilidade cálcica e voilá!, você está andando. Andando e carregando por aí uma pele que se renova a cada 30 dias, nutrida pelo sangue instável, que é trocado a cada 120 dias mais ou menos.

Estabilidade?

Você está em um planeta que gira sobre seu próprio eixo mais rápido que a velocidade do som (1.669 km/h versus 1.200 km/h), enquanto brinca de pique correndo em torno do sol a inacreditáveis 100.000 km/h!

De passagem

A matéria que constitui os planetas e estrelas responde por menos de 5% de toda a matéria no universo. Esta mesma matéria foi configurada para formar você, um aglomerado de moléculas baseadas em carbono que irá durar (estatisticamente) menos de 1 século.

Dentro deste século, você experimentará a tristeza, a fome, o ódio, a inveja e a arrogância, mas também tocará e será tocado pela alegria, pela satisfação, pelo amor, pelo conhecimento e pela generosidade.

O animal que nós somos não durará muito. Dentro de 150 anos, quem ainda recordava de nossa passagem por aqui também terá desaparecido, e a imensa maioria voltará para o limbo de esquecimento onde sempre esteve. Onde está a estabilidade?

Você não gosta de seu emprego desgastante mas prefere continuar nele porque lhe dá estabilidade? Legal. Assim você vai poder contar com uma renda fixa quando precisar cuidar daqueles problemas de saúde causados pelo desgaste no serviço estável. O mesmo vale para alguns casamentos.

Outro filme

Afinal de contas, quem disse que você tem que ser apenas uma única coisa a vida inteira? Se um dia não puder exercer sua profissão ou tiver que colocar uma pedra sobre aquele relacionamento, encare como um conselho de que seu papel neste filme acabou e é hora de viver um novo papel em uma nova película, quiçá mais divertida, engrandecedora e construtiva.

E acima de tudo, jamais venda sua consciência e motivação em troca de estabilidade. Não permita que a busca pela felicidade ideal deixe seus olhos cegos para toda a beleza que existe à sua volta.

Viva apenas com o mínimo (saudável) de medo, aproveite cada fração de cada segundo respeitando alguns princípios legais. Encante-se! E seja tudo que você puder ser, considerando as limitações de sua carne - não adianta querer virar profissional da NBA tendo 1.60m de altura. Mas existem bilhões e bilhões de coisas que você pode fazer neste mundo. Faça-as ontem! Faça-as todas."

Por Dr. Alessandro Loiola*/Especial para BR Press

publicado por animalsapiens às 11:42

09
Ago 11

O capitalismo, e não o socialismo, está em vias de extinção. Essa é uma das conclusões centrais do livro "O Colapso da Modernização", obra do marxista e filósofo alemão Robert Kurz, lançado um pouco após a queda do muro de Berlim. E essa é a idéia defendida especificamente no capítulo que analisamos, intitulado “crise do sistema mundial produtor de mercadorias”.


Durante toda sua análise, Kurz são freqüentes expressões como “colapso global”, “sociedades pós-catasfróficas”, “desindustrialização”, “ondas de especulação” e “bancarrota gigantesca”, entre outros, para enfatizar que a crise do sistema capitalista vai ocorrer em âmbito mundial e em escala planetária num curto espaço de tempo, pois já se configura no horizonte indícios desse processo.


Para ele, a quebra das economias socialistas explicitaria, na realidade, os impasses do sistema global. “O ocidente não ficará imune aos colapsos de outras partes do mundo” (Kurz: 1992, p. 185), pois os que “caíram fora” não terão uma paciência infinita e mesmo com a anulação do conflito de sistemas da era pós-guerra, não haverá uma “paz eterna”, já que o mercado mundial não permite isso. Para ele, o mundo único não poderá conter as revoltas de fome e desespero de todas as partes do mundo, apesar de todo poder policial internacional para reprimi-las, porque essas revoltas tendem a aumentar em vez de diminuir, com a característica de transcorrem em sociedades pós-catastróficas.


De acordo com Kurz, esses desgastes já podem ser observados no setor econômico, com desemprego em massa e destruição de capital, repercutindo no ocidente com imigração em massa e terror, além dos desastres ambientais. No entanto, ele argumenta que ainda haverá uma última corrida deslumbrada do princípio da rentabilidade antes do fim iminente, mas já é visível o processo de desindustrialização em várias partes dinâmicas do mundo, além da destruição do poder aquisitivo, desemprego, criando verdadeiras áreas de Terceiro Mundo dentro do Primeiro. O autor também explica que nessa última corrida acontece um processo de endividamento mediante fluxos comerciais internacionais e uma onda especulativa mundial, que tem como conseqüência “a ilusão de que a solvência do Ocidente fosse praticamente inesgotável” (idem, p. 203).


Ele acredita que “o colapso definitivo da especulação global causará também a ruína do sistema internacional de crédito” (idem, p. 204), e esse será o início da crise, que terá uma mesma causa para todas as partes do sistema mundial produtor de mercadorias: “a diminuição histórica da substância de trabalho abstrato, (...) alcançada pela mediação da concorrência” (idem, p. 204).


Ao final do capítulo, Kurz afirma que provavelmente, “o mundo burguês do dinheiro total e da mercadoria moderna (...) entrará numa era das trevas, do caos e da decadência das estruturas sociais, tal como jamais existiu na história do mundo” (idem, p. 207), e reforça que esse desastre da modernização atingirá também seu causador: o Ocidente.

KURZ, Robert. A crise do sistema mundial produtor de mercadorias. In: O colapso da modernização. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992, p. 185-207.
Fonte: http://pt.shvoong.com/social-sciences/political-science/1823728-colapso-da-moderniza%C3%A7%C3%A3o/#ixzz1UUNVZ0HY

publicado por animalsapiens às 10:15

08
Ago 11

Se não sabe e não quer saber, provavelmente você é um alienado ! Falando sério, segundo Norberto Bobbio, no seu Dicionário de Política (Edunb, vol 1), “O uso corrente do termo designa, frequentemente, em forma genérica, uma situação psicossociológica de perda da própria identidade individual ou coletiva, relacionada com uma situação negativa de dependência e de falta de autonomia.”


A pessoa alienada não pensa por si mesma, embora acredite que sim. Não toma decisões a partir de critérios e valores próprios, embora acredite que sim. Não define rumos, conceitos de justo ou injusto, certo ou errado, bom ou mau, a partir de reflexões próprias, embora acredite que sim. O alienado é resultado e resultante do pensamento de outro ou outros, que lhe insinuam formas de encarar a vida e reagir a determinadas situações.


Por isso o alienado é manipulável. Pode ser conduzido por aqui ou por ali, por sinalizações verbais, simbólicas, sonoras, visuais etc., já que tem respostas psicoemocionais prontas e apenas reage ao comando dado sem reflexão prévia. O alienado é um ser domesticado por alguém, por um grupo ou por uma classe social, que o leva a pensar sob certos parâmetros que lhe parecem inquestionáveis e indiscutíveis. O alienado é uma pessoa que desistiu de pensar por si mesma, ou sequer aprendeu a fazer isso.


Existem alienados no meio esportivo, religioso, político, acadêmico, ...onde haja gente se reunindo, haverá pressão de uns sobre outros. Os que cederem a essas pressões - qualquer que seja a causa -, podem cair num estado de alienação, de dependência psicológica e emocional do 'líder'. Não decidem, não pensam, não agem sem a permissão daquele que consideram seu 'guia'.


Seguir lideranças não é um mal em si, quando essas lideranças foram escolhidas pelos liderados a partir de critérios claros, como competência, clareza, rapidez de decisões, acerto, segurança, confiança, idoneidade etc. Na maioria das vezes o que ocorre é que o líder se faz e passa a construir o seu rebanho de seguidores. Existem até escolas de líderes. Pode-se ter escolas para formação de gerentes, de chefes, mas o líderes existem por algo que os distingue dos demais, seja para o bem, seja para o mal.


Vivemos tempos em que a mentalidade de rebanho prevalece. É muito fácil manipular multidões. As técnicas de manipulação são relativamente simples. Sabendo pegar pelo emocional - principalmente em momentos de crise -, submete-se a razão, a reflexão crítica, e … pronto, eis mais um seguidor cego !


Sair do rebanho não é fácil, pois o mundo está amedrontador, e assumir todos os riscos que a vida nos impõe exige coragem, algum conhecimento e rompimento com a pressão do rebanho humano. A maioria acha melhor terceirizar responsabilidades e deixar-se levar pelos pseudolíderes, pagando ou não. Fazendo isso assumem outro risco: o de serem guiados para um abismo.


O ideal seria preparar-se intelectual e eticamente para decisões pessoais, autônomas, com os riscos que toda e qualquer escolha estabelece. Saber que quem escolhe uma coisa, naturalmente abre mão de alguma outra. Saber perder, aceitar frustrações, tentar de novo por conta própria, procurar e construir seu próprio caminho.

publicado por animalsapiens às 13:16

07
Ago 11

Um livro

Crítica da transformação da ciência social norte-americana (autêntica militarização da antropologia) num apêndice securitário do Estado. Confira aqui. Para traduzir, aqui. Se quiser ampliar a imagem, clique sobre ela com o lado esquerdo do rato.


Read more: http://www.oficinadesociologia.blogspot.com/#ixzz1ULHQ4fej

publicado por animalsapiens às 12:38
tags:

06
Ago 11

São milhares, talvez milhões. Espaços pessoais para exposição de ideias e interação com possíveis leitores. O mundo real e o mundo virtual se tornam um só. Existem blogs sobre todos os temas; alguns atualizados freneticamente outros, esporadicamente. Cada um cumpre seu papel. O importante é que existem como possibilidades de interação nesse mundo de conexões rápidas e afetos lentos ou praticamente inexistentes. Sobretudo, burla parcialmente o isolamento que destroi lentamente o ser humano. Nesse aspecto, o blog e outros dispositivos e redes sociais são quase terapêuticos!

publicado por animalsapiens às 18:26

Ministério da Defesa; sai Nelson Jobim, entra Celso Amorim, ... como esperado.

publicado por animalsapiens às 14:38
tags:

05
Ago 11

Os anos 1990 foram vividos no delírio coletivo globalizante e neoliberal. Apesar dos movimentos antiglobalização ela, a globalização, afinal se impôs, para implodir em 2008. Os sinais da crise já vinham de muitos anos, manifestando-se tanto nos setores econômicos e sociais, quanto políticos e militares. Agora o que vemos é um processo acelerado de desglobalização. Cada país procura seus caminhos, em parceira com blocos em situação e interesses convergentes, mas nada é estável. Qualquer acordo pode ser desfeito se o nacionalismo assim o determinar.

 

Xenofobia, discriminação, racismo, perseguições a estrangeiros, expatriamentos, emigração ... sinais da desglobalização e de que o espaço de cada um está a ser defendido com os recursos disponíveis, nem sempre éticos, quase sempre violentos.

publicado por animalsapiens às 12:26
tags:

04
Ago 11
publicado por animalsapiens às 12:49

Nas duas últimas décadas foram produzidos alguns estatutos, com a finalidade de dar segurança e proteção a segmentos da sociedade tidos ou vistos como mais vulneráveis.

O Estatuto do idoso, da criança e do adolescente, da igualdade racial ainda controverso, lei Maria da Penha que não é um estatuto, mas tem conotação semelhante, como se fosse um estatuto de gênero, são exemplos.

Como tudo o mais, tais textos legais podem ser bem ou mal utilizados. Vejamos alguns exemplos do que se ouve ou vê por aí, pelas ruas, pelas esquinas e noticiários.

- Mulheres recorrem à histeria coletiva causada pela cruzada do senador Magno Malta contra a pedofilia e alegam que seus maridos estão molestando seus filhos pequenos, com a intenção de livrar-se deles, dos maridos e não dos filhos. Juízes afoitos determinam o afastamento dos pais para apurarem o caso ... depois. Enquanto isso, a família se desfaz.

- Jovens mulheres adolescentes chantageam homens, casados ou não, para fazerem 'programas' com elas sob ameça de denunciá-los por pedofilia ou assédio sexual.

- Idosos são vistos em agências lotéricas, caixas de Bancos ou outros lugares onde há atendimento preferencial, com maços de documentos nas mãos. Tornaram-se serviçais daqueles que, ainda não aposentados e sem tempo, têm contas a pagar ou compras a fazer.

- Pessoas são detidas sob presunção de culpa, cabendo a elas provarem a inocência, contrariando o princípio jurídico elementar da inocência até que a culpa seja comprovada. Compreensível; é mais fácil capturar um inocente, já que o culpado em geral está foragido.

Sinais de que leis não mudam costumes ou comportamentos, apesar de nossos legisladores e juristas acreditarem que sim. A vida social deteriora-se rapidamente e, em breve, a prosseguir nesse ritmo, nada mais poderá ser feito, a não ser uma necrópsia do que foi uma sociedade, isto é, uma comunidade organizada.

publicado por animalsapiens às 11:42
tags:

03
Ago 11

Em homenagem ao passamento do escritor português José Saramago, autor de Ensaio sobre a Cegueira e O Evangelho Segundo Jesus Cristo, coletamos algumas de suas pérolas.



O ateu que a Igreja lamentou a perda.

Não sou um ateu total, todos os dias tento encontrar um sinal de Deus, mas infelizmente não o encontro.
José Saramago
publicado por animalsapiens às 11:41

Agosto 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO