Para falar de gente, de seres humanos, do bicho humano perfectível, apesar de tudo. Do Animal sapiens, mas a partir de agora do "Homo spiritualis", com sua fé e religiosidade muitas vezes confusa, gerando preconceitos, discriminações.

19
Jan 13

O ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente), que veio substituir o antigo Código de Menores, e seu corolário: os Conselhos Tutelares, que seriam órgãos de apoio ao Judiciário, já atingiram sua maioridade e o que vemos é um resultado medíocre, para dizer o mínimo. No começo da era neoliberal no Brasil, a partir do governo Collor, entramos numa histeria coletiva em que muitos proclamavam o 'fim da história', a 'vitória final do capitalismo', as 'benesses da globalização' (que foi chamada de globalitarismo pelo saudoso professor Milton Santos), a 'inutilidade do Estado' que 'não dá lucro' (a função do Estado é prestar serviços que não interessam aos setores privados ou que são estratégicos e ligados à segurança da nação, e não 'dar lucros' !). Daí as muitas medidas para que as áreas remanescentes, geridas pelo Estado, fossem ocupadas pelo setor privado: de rodovias a hospitais, de escolas a telecomuncações, e mais recentemente os presídios também já são vistos como 'prestação de serviço', isto é, um bom negócio.

 

Hora de rever se essas medidas atendem às necessidades da população, visando o bem-estar coletivo, ou se atendem às corporações e megaempresas que pretendem dar sobrevida ao deus mercado, entrando por todos os pontos vulneráveis na sociedade civil, usando as fragilidades (ou complacência) das leis e dos governos.

 

No caso específico do ECA/Conselhos Tutelares, o Estado reduziu ou eliminou o poder patermaterno, transferiu-o a um órgão em geral insuficiente, desaparelhado e que, por vezes, age com se fosse órgão policial e não um 'órgão de apoio ao Judiciário'. A hierarquia do poder familiar viu-se invertida e hoje, tanto em escolas quanto dentro de casa, são os jovens que ditam as normas, ameaçam, coagem, chantageam, usando o que os próprios policiais ouvem: 'eu te denuncio !". A democracia não dispensa a autoridade.

 

Toda e qualquer medida possui um conteúdo manifesto (o que se deseja, objetivamente) e um conteúdo latente (imprevisto e, em geral, indesejável ou inesperado. Uma espécie de efeito colateral). São muitos os efeitos colaterais tanto do ECA quanto dos CTs; suficientes para uma completa revisão do modelo após a investidura de sua maioridade, e quem sabe, devolvendo a quem de direito (pais e responsáveis) o dever e o poder de conduzir e formar caracteres, não de forma impessoalizada, estatizada, mas com o afeto e a atenção que crianças e jovens necessitam. Vigiar e punir tem sido a lógica predominante no Brasil, e já passou da hora de se mudar isso.

 

- por Paulo Santos

publicado por animalsapiens às 10:08

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Janeiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
15
17
18

20
21
22
23
25
26

27
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO