Para falar de gente, de seres humanos, do bicho humano perfectível, apesar de tudo. Do Animal sapiens, mas a partir de agora do "Homo spiritualis", com sua fé e religiosidade muitas vezes confusa, gerando preconceitos, discriminações.

13
Set 12

O modo pós-capitalista de estar no mundo

Alternativa contemporânea ao sistema constrói valores e relações sociais opostas às dominantes. Por isso, é tão poderosa, diz Ricardo Abramovay

Entrevista a Inês Castilho


MAIS:
Caminhos para a Política Cidadã no século 21
Em meio a críticas e esperanças, pensadores e ativistas debatem como superar crise da representação e reinventar democracia.

Leia também, nesta série, a entrevista com Fernando Meirelles

O enredo de “Vida de Galileu”, uma das grandes peças teatrais de Bertolt Brecht, desenvolve-se no início dos anos 1600. Em meio ao poder medieval das cidades-estados italianas e da Igreja, o precursor da Revolução Científica e seus discípulos estão inconformados com um velho mundo de servidões; de ideias e relações sociais seguras, porém estáticas e ultra-hierárquicas. Apaixonam-se pela pesquisa, pela democracia (“seremos ainda cientistas, se nos desligamos da multidão?”, perguntam-se) e pelas máquinas. Imersos numa ordem obsoleta, são obrigados a concessões (Galileu lamentará para sempre a mais dramática delas). Mas antecipam, em suas próprias vidas, valores que só se tornarão hegemônicos um século e meio depois.

É impossível não recordar Brecht, ao ler a entrevista que o economista Ricardo Abramovay concedeu a Inês Castilho, no âmbito da pesquisa “Políticas Cidadãs – Reflexões e Caminhos”, produzida pelo instituto Ideafix por solicitação do IDS (Instituto Democracia e Sustentabilidade). Num momento em que a humanidade debate-se diante de novos impasses – agora provocados pela crença absoluta na razão, pela exploração da natureza sem limites e por um sistema econômico que subordina todas as relações sociais ao dinheiro e ao lucro –, Abramovay sustenta que a saída já existe. Ela está presente em valores e lógicas que, embora contra-hegemônicos, são adotados por um número expressivo de pessoas e se alastram de forma crescente pelas próprias relações de produção.

Não se trata, esclarece o entrevistado, de um retorno ao “socialismo real”. Ninguém mais defende o controle direto, pelos Estados, dos meios de produção e das decisões sobre o que produzir e como trocar. A crítica e a alternativa são de outra natureza. Provavelmente, muito mais profundas, porque questionam as relações sociais e simbólicas associadas ao sistema – não apenas o grupo ou classe social que está em seu comando.


http://www.outraspalavras.net/2012/09/12/o-modo-pos-capitalista-de-estar-no-mundo/

publicado por animalsapiens às 12:22

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Setembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
12
14

17
19
20

24
27
29



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO