Para falar de gente, de seres humanos, do bicho humano perfectível, apesar de tudo. Do Animal sapiens, mas a partir de agora do "Homo spiritualis", com sua fé e religiosidade muitas vezes confusa, gerando preconceitos, discriminações.

01
Dez 13

Dezembro chegou anunciando que 2014 com a Copa e as eleições estão mais perto, bem como os muitos problemas que o Governo tem para resolver, apesar da retórica sempre otimista da presidente Dilma Roussef. A violência civil e militar não param, furtos e roubos, acidentes de trânsito, suicídios e homicídios. O país precisa urgentemente de mais investimentos em áreas sociais e de contenção dos avanços não só da corrupção, mas também das más ideias, das ideologias perniciosas, de seitas esdrúxulas ... (sei, ... qual o critério para definir?).

 

Sabemos que a transição espiritual pela qual o planeta está passando, tende a apresentar níveis crescentes de tudo isso e muito mais. Sobretudo se considerarmos que esses desequilíbrios ocorrem nos dois planos da vida. Há uma simbiose entre os iguais e juntos fazem acontecer, tanto o que nos é visível quanto o que nos é invisível aos olhos materiais.

 

Vale um esforço para livrar-se de toxinas emocionais e mentais, apesar do mundo tão perturbardo. Buscar na boa literatura, na boa música, na natureza e nas boas pessoas o equilíbrio para prosseguir a jornada.

 

- Paulo S.

publicado por animalsapiens às 10:14

20
Nov 13

É fácil perceber que tanto a intensidade quanto a frequência das tragédias climáticas estão aumentando. Se a Terra já passou por cinco grandes extinções em massa, o que impede que estejamos vivendo o começo de outra? Ou que uma profunda mudança climática está em curso, com a contribuição humana para pior, sem que os mais de sete bilhões de humanos se dêm conta da gravidade da situação?

 

Quando se trata de excesso de chuvas, furacões, tufões, enchentes etc., o noticiário se farta. Mas, as grandes estiagens também estão por aí, silenciosas e mortais, forçando deslocamentos de milhares de pessoas, quando não sua morte por falta de água potável ou para plantio.

 

Impressiona a negligência das autoridades. As preocupações giram em torno do econômico e do financeiro. Em caso de uma crise global, para onde pensam que irão? Acham que estarão acima dos mortais comuns em suas necessidades de água e alimento? Seres comandados pela ganância, pela ambição, pelo egoísmo, pela falta de visão de futuro, pelo desejo de domínio e controle a qualquer preço. E o preço poderá ser bem alto.

 

- por Paulo Santos

publicado por animalsapiens às 10:15

26
Set 13

Mudanças climáticas cada vez mais intensas e inesperadas, escassez progressiva de água potável, migrações devido a alterações climáticas ... e nossa espécie mostra seu lado insano ao não agir de modo colaborativo para garantir a sobrevivência humana. Prevalece a competição, a ganância, o egoísmo e as disputas, como uma suposta forma de uma ou outra nação que se acha com mais direitos que outras, buscar a hegemonia e o controle do mundo.

 

Um caminho suicida já que numa crise generalizada não há para onde fugir, não há para onde correr. Só uma profunda mudança cultural poderia criar espectativas mais otimistas para a humanidade. No entanto, vemos os governantes se perdendo em busca de poder e riqueza, no aumento da repressão contra o povo e repetitivas desculpas baseadas num pensamento diabolicamente neoliberal.

 

Vamos aguardar para ver ... mas, como as coisas andam, filmes como Blade Runner, Gattaca, Matrix e semelhantes, cada vez mais se tornam menos ficção.

 

- por Paulo Santos

publicado por animalsapiens às 11:32

09
Ago 13

Nenhuma sociedade em estado de direito sobrevive sem o princípio fundamental da Justiça, que é a aplicação das regras e normas de forma isonômica, independentemente da cor da pele, da classe social, do gênero, da religião, da etnia ... Para os gregos da Antiguidade, as três virtudes básicas eram a coragem, a prudência e a justiça, sendo esta última a principal.

 

O que temos visto no Brasil é de estarrecer. A Justiça deve estar acima do Direito. Uma lei errada ou que induz ao erro deve ser ignorada ou mudada, ou no caso de um julgamento, os princípios da justiça devem prevalecer sobre a burocracia. Mas, na prática, o que temos e vemos são decisões políticas e não técnicas, a burocracia prevalecendo sobre o princípios dos direitos fundamentais da pessoa humana, muita oratória e pouca prática de justiça real. Se for uma pessoa pobre, poderá amargar meses na prisão até que um juiz ou promotor se anime a analisar o caso.

 

Nesse estado de coisas, num país onde os julgamentos de criminosos de farda são feitos vinte e tantos anos depois dos crimes, não se pode criticar quem já não acredita nas instituições. E deixar de acreditar nas instituições representa um perigo para uma sociedade, principalmente a descrença nas instituições jurídicas.

 

- por Paulo Santos

publicado por animalsapiens às 12:48

27
Jun 13

Quem sabe! As manifestações que tomam conta das ruas demonstram, com sobra, o desgosto, o ressentimento e a crise de legitimidade e de credibilidade dos políticos. Há que se renovar ! Como todo esse processo iniciado há duas semanas vai acabar, ainda é muito cedo para dizer, mas uma coisa é certa: o país não será mais o mesmo. No entanto, engana-se quem acredita que os atuais 'donos do poder' vão ceder sem luta. Por enquanto, entregam os anéis para não perder os dedos. Vamos ver como reagirão quando mudanças mais estruturais se mostrarem necessárias.

 

A população, politicamente mais amadurecida, não será facilmente enganada, mas o poder e o encantamento da 'grande mídia', controlada por esses mesmos 'donos do poder', ainda consegue manipular e enganar. O esforço de conscientização será permanente. Um novo Brasil, mais limpo e revigorado em suas instituições, poderá ser o resultado da vontade popular manifestada nas ruas, sem concessões ou partidarismos. Não se pede reformas, maquiagens, mas mudanças !

 

- por Paulo Santos

publicado por animalsapiens às 12:53

12
Mar 13

O planeta vive uma de suas mais profundas crises, em todos os aspectos. Provavelmente, nem o Renascimento foi tão marcante em sua transição para uma nova era, por ficar mais restrito ao mundo europeu e apenas influenciou outros países com as viagens ultramarinas.

 

Hoje, tudo é on-line e em tempo real. O que ocorre no outro lado do mundo nos afeta e, de fato, como escreveu o poeta, não se pode tocar uma flor sem incomodar uma estrela. Tudo está claramente interligado a tudo, e todos a todos. Mas a insanidade que toma conta dos governantes, os leva a decisões locais, para problemas parciais e rasos. O núcleo global dos problemas humanos, sociais, econômicos e políticos permanece intocado. Medo de mudanças, por isso falam em reformas!? Perda de poder e de privilégios!

 

Mas, as mudanças virão, quer queiram, quer não queiram. Um modelo de vida como o atual, baseado no individualismo, no consumismo, na competição e na supremacia de uns sobre os outros terá que acabar, sob pena de assinarmos nosso atestado de burrice coletiva e consequente extinção da espécie Homo sapiens, tão pouco sapiens.

 

As coisas estão acontecendo e acelerando, ganhando força e velocidade. Em breve já não será possível frear a bola de neve em que se tornou o estilo mórbido de vida imposto ao mundo pelo neoliberalismo.

 

- por Paulo Santos

publicado por animalsapiens às 10:36

05
Mar 13
publicado por animalsapiens às 11:19

24
Jan 13

Na verdade, pra quem saber ler, um pingo é pingo! Mas, vamos ao que interessa. O fato da presidente Dilma anunciar, sorridente, a redução de 18% na tarifa das contas de energia elétrica para pessoas físicas, e de até 32% para CNPJs indica que a crise chegou mesmo ao Brasil, com a inflação se insinuando nos preços e os setores produtivos em desaceleração, além de que os brasileiros estão descobrindo, finalmente, que não têm dinheiro, ... têm crédito!!!

 

- por Paulo Santos

publicado por animalsapiens às 09:50

05
Jan 13

Apesar da quantidade de más notícias, de desastres de todos os tipos, dos problemas de natureza pessoal ou coletiva etc., o ser humano segue preso a duas coisas: às esperanças, mesmo que frustradas sistematicamente, e aos desafios, mesmo aqueles que põem sua própria vida em risco. Talvez esteja aí a mágica da sobrevivência da espécie. Nossa insistência em sobreviver !

 

Contudo, a conjuntura mundial demanda profunda reflexão, pois pode estar além dos sentimentos individuais e a esperar por acões conjuntas, coletivas, de modo a mudar a rota antes que algum desastre de grandes proporções ponha a vida no planeta em risco real. Seria um trabalho da minoria consciente de sempre, já que a cegueira dos seguidores do deus dinheiro/mercado permanece, e eles continuarão delirando e acreditando que o caminho é esse, e que 'austeridade' e cortes com gastos sociais solucionarão o impasse civilizatório em que nos metemos, ou nos meteram.

 

- por Paulo Santos

publicado por animalsapiens às 08:20

24
Dez 12

Os milenaristas devem estar muito frustrados pelo fato do mundo - mais uma vez -, não ter acabado. Mas, é assim mesmo. O medo do fim valoriza o presente. O medo da morte valoriza a vida. Abre comportas de esperança e motivação para mudanças. No final das contas é positivo, mesmo que entre eles, os milenaristas, existam certamente aqueles que morbidamente torcem para o fim do mundo, por uma razão ou outra, embora a principal delas seja a de que o mundo está mesmo ruim e feio, a sociedade doente e sem perspectiva.

 

O fim do ano, para muitos, é período de renovação de projetos, planos e promessas que não foram cumpridas. Novas metas e propósitos ... isso é bom. Algum avanço sempre há. E um mundo novo vai acabar surgindo do caos presente em nossos dias. Ainda haverá lugar para os de boa vontade, para os altruístas e generosos, os repletos de compaixão. Enquanto isso, de um jeito ou de outro, os egoístas e gananciosos, os adoradores dos deus mercado e das coisas vão acabando, vão morrendo, desaparecendo, saindo do caminho... há lugar para alguma esperança. Afinal, o mundo não precisa continuar assim só porque está assim! A ressacralização do mundo está acontecendo por vias tortas ...

 

Mas isso de fim do mundo é coisa tipicamente ocidental. Duvido que budistas e islãmicos, por exemplo, entrem nessa onda de história linear, com começo, meio e fim. Da criação do mundo ao suposto 'juízo final'. Mas, há quem acredite em tudo em qualquer lugar do mundo. E nesse nosso mundo há espaço também para insanos de terno e gravata que decidem sobre a vida e a morte de milhares de pessoas enquanto tomam um champanhe!

 

Os mais pobres, os empobrecidos por esse modelo político-econômico predador, continuam sobrevivendo e vão acabar superando de algum modo, mais uma descivilização, mais uma que se vai para abrir espaço para uma outra, ... melhor, esperemos. Precisamos de um novo Renascimento !

 

- por Paulo R. Santos

publicado por animalsapiens às 09:14

Janeiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO