Para falar de gente, de seres humanos, do bicho humano perfectível, apesar de tudo. Do Animal sapiens, mas a partir de agora do "Homo spiritualis", com sua fé e religiosidade muitas vezes confusa, gerando preconceitos, discriminações.

16
Dez 13

A situação da educação no Brasil é devastadora. Nada foi feito em tempo e o resultado disso é um processo generalizado de rejeição do conhecimento e da leitura, com um resultado de imbecilização em escala nacional. Pode-se constatar isso pela má qualidade da produção cultural e que é apreciada principalmente pelos mais jovens. Uma parcela relativamente pequena tem a leitura como hábito.

 

Um país que não conhece seu passado não tem perspectivas de futuro e está condenado a repetir esse passado. Os reflexos na formação moral-espiritual, política e cultural de seu povo fica evidente pelo tipo de consumo que se apresenta. Anos atrás foi projetado um processo de 'africanização' (aumento do analfabetismo funcional, tribalização dos costumes, aumento das rixas entre grupos rivais por competição por espaços e domínio, e já vemos isso em meio às torcidas organizadas) principalmente da faixa mais jovem. O declínio cultural e ético é evidente no Brasil.

 

Estamos nas mãos dos mesmos mandantes, repetindo as práticas coloniais e oligárquicas de sempre, sem perspectivas de mudanças. Retórica, promessas, retoques e maquiagens é o que se vê em tudo relacionado a educação (como na saúde e na insegurança pública). Isso explica a falta de esperanças, de espectativas, de sonhos, do aumento da violência, do fim do diálogo como forma de solucionar problemas, da decadência ética e cultural. Lamentável!

 

- por Paulo Santos

publicado por animalsapiens às 09:14

15
Nov 13

Convenhamos, deixemos o ufanismo e as patriotadas à parte e reconheçamos que o 15.11.1889 nada trouxe de novo para melhor. É a data de um dos golpes civis-militares que permeiam a história de nosso país, quando um monarca se retira apático e em silêncio para a França, e um grupo de políticos-militares assumem o poder diante de um povo abobalhado que não entendia nada do que estava acontecendo.

 

Assim nasceu a República Federativa (antes, dos Estados Unidos) do Brasil.

 

De lá para cá, uma sequência de pequenos e grandes golpes; gerais ou localizados, mas criando-se uma história em que a elite insiste em manter o povo alheio e alienado das questões cruciais do país. Sempre a repressão violenta, sempre a preocupação com o extermínio ...

 

Apesar de tudo, a Guerra de Canudos e a Revolta da Armada são exemplos de que sempre tivemos uma parcela da população viva até o momento em que reagia. Nos acostumamos ao extermínio, às mortes em quantidade ... tudo vai parecendo muito normal. Vamos fechar 2013 com mais de 50 mil homicídios e muitas promessas.

 

- Paulo Santos

publicado por animalsapiens às 11:05

02
Out 13

O Estado, comandado pelas grandes corporações, omite informações, distorce outras, divulga as que lhe convém e simplesmente mente quando os dados não correspondem aos que lhe interessam. Meu professor de estatística dos tempos de bacharelado era o primeiro a dizer que a estatística, junto com a diplomacia, é a ciência da mentira. Ele estava certo. Em ambas existe uma ampla margem para manobras e manipulações.

 

O Brasil atual é a prova cabal dessas assertivas. O Governo Dilma/PT, apesar de alguns esforços no campo social, é basicamente de lógica economicista. O resultado é a violência crescente, a desesperança que leva a crimes estranhos, ao aumento dos suicídios, a impunidade que permanece como uma praga e os mesmos que promovem os segredos e as mentiras não caem, protegidos pelos grandes interesses corporativos e pelos clãs políticos, vitalícios e hereditários. Quem disse que a nobreza acabou?

 

- por Paulo Santos

publicado por animalsapiens às 11:26

13
Set 13

O chamado 'julgamento do mensalão' tornou-se um show midiático que, sem dúvida, entrará para a história dos acontecimentos pitorescos, dentre tantos que aconteceram e acontecem em Pindorama. Só um cego por vontade própria ou ignorância não percebe que o Judiciário brasileiro está preso nas próprias malhas burocráticas, na arrogância e prepotência de quem deveria dar exemplos de humildade e integridade, e que se deixa conduzir pela pressão da mídia e de interesses que visam as eleições de 2014.

 

... enquanto não baixam a lona do circo, o show deve continuar ...

 

- por Paulo Santos

publicado por animalsapiens às 11:41

07
Set 13

Pesquisando algo na internet esbarrei nessa carta, ditada pela imperatriz Leopoldina por motivo de doença. Consta que a sétima gravidez associada a agressões do marido, D. Pedro I, causaram-lhe a morte aos 29 anos. Fato curioso é que ela era regente na data da proclamação na nossa independência. O Decreto de separação de Portugal foi assinado por ela em 02 de setembro de 1822, e D. Pedro entrou para a história depois de receber cartas e documentos comunicando o fato, em 07 de setembro. Ela era cunhada de Napoleão Bonaparte. ... Coisas que não se ensinam nas escolas brasileiras ...


Paulo S.
..............................[...]

 

A imperatriz, que há meses encontrava-se em grave processo de depressão e em adiantado processo de gravidez, teve a saúde profundamente abalada. Em sua última carta à irmã Maria Luísa, ditada à marquesa de Aguiar, menciona um "terrível atentado" que sofrera pelas mãos de seu marido na presença da amante:

São Cristóvão, 8 de dezembro de 1826, às 4 horas da manhã

Minha adorada mana!

Reduzida ao mais deplorável estado de saúde e tendo chegado ao último ponto de minha vida em meio dos maiores sofrimentos, terei também a desgraça de não poder eu mesma explicar-te todos aqueles sentimentos que há tanto tempo existiam impressos na minha alma. Minha mana! Não tornarei a vê-la! Não poderei outra vez repetir que te amava, que te adorava! Pois, já que não posso ter esta tão inocente satisfação igual a outras muitas que não me são permitidas, ouve o grito de uma vítima que de tu reclama - não vingança - mas piedade, e socorro do fraternal afeto para meus inocentes filhos, que orfãos vão ficar, em poder de si mesmos ou das pessoas que foram autores das minhas desgraças, reduzindo-me ao estado em que me acho, de ser obrigada a servir-me de intérprete para fazer chegar até tu os últimos rogos da minha aflita alma. A Marquesa de Aguiar, de quem bem conheceis o zelo e o amor verdadeiro que por mim tem, como repetidas vezes te escrevi, essa única amiga que tenho é quem lhe escreve em meu lugar.

Há quase quatro anos, minha adorada mana, como a ti tenho escrito, por amor de um monstro sedutor me vejo reduzida ao estado da maior escravidão e totalmente esquecida pelo meu adorado Pedro. Ultimamente, acabou de dar-me a última prova de seu total esquecimento a meu respeito, maltratando-me na presença daquela mesma que é a causa de todas as minhas desgraças. Muito e muito tinha a dizer-te, mas faltam-me forças para me lembrar de tão horroroso atentado que será sem dúvida a causa da minha morte. Cadolino, que por ti me foi recomendado, e que me tem dado todas as provas da maior subordinação e fidelidade, é quem fica encarregado de entregar-te a presente, e declarar-te o que por muitos motivos não posso confiar a este papel. Tendo ele todas as informações que são precisas sobre este artigo, nada mais tenho a acrescentar, confiando inteiramente na sua probidade, honra e fidelidade.

Faltaria ao meu dever se, além de ter declarado ao Marechal e a Cadolino que tenho dívidas contratadas (ou contraídas?) para sustentar os pobres, que de mim reclamarão algum socorro, e para as minhas despesas particulares, não dissesse a ti que o Flach, de quem tenho muitas vezes escrito, é digno de toda tua consideração e de meu Augusto Pai, a quem peço-te remeter a inclusa.

Este virtuoso amigo, além de ter se sacrificado e comprometido a si mesmo e seus negócios para me servir, não desprezou meio algum para me procurar socorros. Peço-te por quanto tens de mais sagrado de lhe prestares todo o auxílio, de modo que ele possa satisfazer aquelas dívidas que por mim tem contraído. Recomendo este exemplo da mais virtuosa amizade. Cadolino te dirá qual foi o procedimento de Marechal para comigo. A Marquesa de Aguiar fica encarregada de dar a ti os mais miúdos detalhes sobre quanto diz respeito às minhas queridas filhas. Ah, minhas queridas filhas! Que será delas depois da minha morte? É a ela que entreguei a sua educação até que o meu Pedro, o meu querido Pedro não disponha o contrário. Adeus minha adorada mana.

Permita o Ente Supremo que eu possa escrever-te ainda outra vez, pois que será o final do meu restabelecimento.

L. S. B. Marquesa de Aguiar Escrevi.
[...]

Fonte: Wikipédia


publicado por animalsapiens às 13:06

09
Ago 13

Nenhuma sociedade em estado de direito sobrevive sem o princípio fundamental da Justiça, que é a aplicação das regras e normas de forma isonômica, independentemente da cor da pele, da classe social, do gênero, da religião, da etnia ... Para os gregos da Antiguidade, as três virtudes básicas eram a coragem, a prudência e a justiça, sendo esta última a principal.

 

O que temos visto no Brasil é de estarrecer. A Justiça deve estar acima do Direito. Uma lei errada ou que induz ao erro deve ser ignorada ou mudada, ou no caso de um julgamento, os princípios da justiça devem prevalecer sobre a burocracia. Mas, na prática, o que temos e vemos são decisões políticas e não técnicas, a burocracia prevalecendo sobre o princípios dos direitos fundamentais da pessoa humana, muita oratória e pouca prática de justiça real. Se for uma pessoa pobre, poderá amargar meses na prisão até que um juiz ou promotor se anime a analisar o caso.

 

Nesse estado de coisas, num país onde os julgamentos de criminosos de farda são feitos vinte e tantos anos depois dos crimes, não se pode criticar quem já não acredita nas instituições. E deixar de acreditar nas instituições representa um perigo para uma sociedade, principalmente a descrença nas instituições jurídicas.

 

- por Paulo Santos

publicado por animalsapiens às 12:48

23
Jul 13

A presença do Papa Francisco no Brasil, pode contribuir para abrandar a onda de protestos, embora temporariamente. Sua presença mais carismática e despojada do que seu antecessor, Ratzinger, pode ser bastante oportuna para frear o avanço das igrejas-empresas, fortalecendo a fé no catolicismo popular brasileiro. Ele, como latinoamericano, sabe como isso funciona deste lado do Atlântico.

 

Protestos contra sua presença devem ocorrer, em caráter minoritário, pois os manifestantes já deram o recado que as coisas continuam, contra a corrupção, pela melhoria dos serviços públicos, da segurança pública, da saúde e da educação, além da reforma política que se depender do Congresso que está aí, não sai mesmo!

 

Enfim, vamos ver o que acontece ao longo da semana e observar os bons e maus resultados da passagem do Papa pelo Brasil. Um país de forte tradição católica poderá ter nesse aporte político-religioso, um momento de fortalecimento da fé dos católicos e simpatizantes, amenizando a onda de criminalidade e violência que o país vem vivendo.

 

- por Paulo Santos

publicado por animalsapiens às 13:12

27
Jun 13

Quem sabe! As manifestações que tomam conta das ruas demonstram, com sobra, o desgosto, o ressentimento e a crise de legitimidade e de credibilidade dos políticos. Há que se renovar ! Como todo esse processo iniciado há duas semanas vai acabar, ainda é muito cedo para dizer, mas uma coisa é certa: o país não será mais o mesmo. No entanto, engana-se quem acredita que os atuais 'donos do poder' vão ceder sem luta. Por enquanto, entregam os anéis para não perder os dedos. Vamos ver como reagirão quando mudanças mais estruturais se mostrarem necessárias.

 

A população, politicamente mais amadurecida, não será facilmente enganada, mas o poder e o encantamento da 'grande mídia', controlada por esses mesmos 'donos do poder', ainda consegue manipular e enganar. O esforço de conscientização será permanente. Um novo Brasil, mais limpo e revigorado em suas instituições, poderá ser o resultado da vontade popular manifestada nas ruas, sem concessões ou partidarismos. Não se pede reformas, maquiagens, mas mudanças !

 

- por Paulo Santos

publicado por animalsapiens às 12:53

08
Jun 13

Já se percebe que a mídia de massa começou a despejar o anestésico sobre a população. Começa com a Copa das Confederações. Daqui até outubro de 2014 o brasileiro estará envolvido, ou enrolado, com duas coisas altamente emocionais e que podem tirar muita gente do ar, contribuindo em muito para a alienação de um povo já bastante desinformado e desinteressado daquilo que realmente tem a ver com sua vida no longo prazo.

 

Tudo que tem a ver com futebol e/ou política tende a tornar o país bipolar pelos próximos meses. As preocupações 'político-futebolísticas' deixarão bons espaços para espertalhões e oportunistas da política e da economia para agirem sem o olhar do cidadão, exceto daquele cidadão mais atento e vigilante, seja torcedor ou não, seja filiado a algum partido ou não. Mas estes são minoria!

 

De qualquer modo, quando o anestésico mental deixar (provisoriamente) de ser necessário, em novembro de 2014, o brasileiro sairá do torpor um tanto assustado, tentando colocar-se a par dos outros acontecimentos. Tentará entender o que houve com a economia, com os salários, com os preços, com novas leis que ele não sabia que tinham sido aprovadas, quantos felicianos mais estão ou não nas Câmaras e Assembleias, e sabe-se lá quem estará governando o país.

 

- por Paulo Santos

 

publicado por animalsapiens às 11:46

31
Mar 13

Observando a sanha repressiva com que os movimentos sociais brasileiros são tratados e a negligência para com as legítimas demandas, segundo o roteiro burocrático estabelecido, como as petições populares pelo afastamento do presidente do Senado e do presidente da Comissão de DH e Minorias, vemos o quanto o Estado se afastou do povo.

 

Apesar da retórica democrática, a democracia não faz parte do cotidiano do povo brasileiro. Uma sociedade fortemente segmentada, onde uma mentira de farda vale mais do que dez verdades civis; onde o único rito permitido para legitimar os mesmos são as eleições periódicas com jeito de cartas marcadas, pois as oligarquias se perpetuam e os modos de governança também.

 

Ternos e gravatas, crachás, fardas e jalecos, carteiras 'especiais' e 'chefias', o amigo do patrão, gente com aparência de grande importância com pastas cheias de papéis cheios de nada. Mas, são eles que mandam! 'Manda quem pode, obedece quem tem juízo', diz o ditado popular. A Casa-grande e a Senzala se mostram presentes até na escassa evolução das leis, como a que equipara os trabalhadores domésticos aos demais trabalhadores, e o pessoal da Casa-grande já esperneia; afinal, onde vão arrumar os sucedãneos dos escravos?

 

Enquanto isso, o povo, o cidadão comum, fica no fogo cruzado criado entre os criminosos, as milícias e a polícia. Guerra urbana! Cinquenta mil homicídios em 2012.

 

O policial - em sua função guerreira -, é treinado para 'caçar' bandidos e não para proteger os cidadãos. Culturalmente ocupa o lugar do Capitão do mato, caçador de escravos. Os parlamentares ocupam o papel - e os lugares - da nobreza no 'antigo regime' brasileiro.

 

Ainda há uma longa estrada a percorrer para que se possa falar de uma república com valores republicanos, de uma democracia com mecanismos verdadeiramente democráticos, de uma sociedade com lugares para todos, de um país onde haja oportunidades reais, de um lugar onde a vida possa fluir sem medos.

 

- por Paulo Santos

publicado por animalsapiens às 11:31

Janeiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO