Para falar de gente, de seres humanos, do bicho humano perfectível, apesar de tudo. Do Animal sapiens, mas a partir de agora do "Homo spiritualis", com sua fé e religiosidade muitas vezes confusa, gerando preconceitos, discriminações.

16
Ago 11

A preocupação com a privacidade.
Convenhamos que o próprio Estado é o primeiro a armazenar dados sobre o cidadão-contribuinte-eleitor e que podem, eventualmente, serem usados contra a pessoa. Somemos a isso as transações bancárias, monitoradas; as operadoras de telefonia e de cartões de crédito etc.

Criamos um mundo paranoico ?


[Google, a bomba-relógio da privacidade]

 
Apocalíptico? Visionário? Radical? Realista? Especialista em segurança, o pesquisador americano Greg Conti acha que quem usa os serviços do Google corre enorme perigo.
Professor da Academia Militar dos Estados Unidos e autor do livro Googling Security, ele acredita que cedo ou tarde haverá um grande vazamento dos dados armazenados na nuvem pelo Google ou por outras empresas. Entrevistei o estudioso para a matéria de capa da INFO deste mês, sobre as crescentes falhas nos serviços e produtos da empresa de Mountain View.
Seu ponto de vista é capaz de levantar mais polêmica do que os meus posts. Confira, abaixo, por que ele acha que a bomba-relógio está prestes a explodir. Será que ele está certo? Ah! E não deixe de conferir a reportagem completa sobre o Google na INFO deste mês.

O cookie do Google é perigoso?
Não acredito que ele seja, em si, uma ameaça. Os cookies são usados de modo seguro em muitos sites. Pesquisadores acreditam, contudo, que o cookie do Google contenha um número único de rastreamento capaz de identificar o internauta em múltiplas visitas, o que permitiria à empresa criar um perfil detalhado de seus usuários. Os cookies do Google são automaticamente deletados do navegador depois de dois anos, mas essa medida não protege muito a privacidade: a data de expiração é estendida automaticamente a cada visita. Logo, um usuário teria que evitar os sites da empresa por dois anos para o arquivo ser eliminado, o que é improvável.

Que dados o Google armazena sobre nós?
É bem difícil saber quanta informação o Google retém sobre nós, uma vez que isso não é publicado pela empresa. Talvez um meio mais prático de analisar esse assunto seja considerar que informações "revelamos" ao Google por meio de cada ferramenta e serviço gratuito, como busca, e-mail, mapas, notícias e vídeo. Nós compartilhamos uma imensa quantidade de dados, especialmente ao longo de meses e anos.

Esses dados ficam armazenados em local seguro?
"Seguro" é um termo relativo. Pilhas estocadas de dados sobre usuários são bens extremamente valiosos, e as empresas da web se esforçam muito para protegê-los. Dito isso, a mera existência dos dados é o problema. Acidentes acontecem e as informações vazam. Até o mais confiável dos funcionários pode abusar de sua posição. Tribunais, governos, criminosos, empresas concorrentes e investigadores ou agentes legais cobiçam essas informações, e vão tentar consegui-las por meios legais ou, às vezes, ilegais.

Você acredita que o Google é uma bomba-relógio de privacidade?
Toda empresa que coleta e retém dados de usuários é uma bomba-relógio de privacidade. Nós revelamos informações extremamente delicadas para muitas companhias online diariamente. Novas ferramentas e serviços fantásticos nos estimulam a revelar ainda mais. Esses dados dão enorme poder a quem os possui. Se a História nos ensinou alguma coisa, é que todo poder sofrerá abuso, cedo ou tarde.

É possível que, algum dia, um cracker entre nos servidores do Google e roube informações de usuários?
Como um pragmático pesquisador da área de segurança, tenho que acreditar que qualquer sistema de computadores pode ser atacado com sucesso quando confrontado com um adversário bem equipado e determinado. Mas pode ter certeza de que o Google está trabalhando duro para prevenir uma invasão bem-sucedida dos seus servidores. É importante notar que os ataques de crackers são apenas um tipo de ameaça. Forçar o Google a dar informações por meio de tribunais é um cenário mais provável.

Recentemente tem havido falhas em serviços como Gmail e Google Docs. Por que estão ocorrendo?
O Gmail e o Google Docs são sistemas inovadores e complexos. É muito difícil, senão impossível, criar sistemas perfeitamente seguros, e essas falhas mostram isso. Atualmente, há uma grande guinada rumo à computação em nuvem, o uso de ferramentas e serviços online para realizar tarefas de computação. Em outras palavras, o usuário fornece seus dados, e a empresa fornece o serviço. Cedo ou tarde, veremos um grande vazamento de informações ligado à computação em nuvem.

Você usa os serviços e produtos do Google?
Em relação à usabilidade, os serviços e produtos do Google são incríveis. Mas sob a perspectiva de informações reveladas e retenção de dados, tenho grande preocupação. Pessoalmente, evito muitos dos serviços e produtos deles e prefiro o Yahoo!. Eles recentemente instituíram uma política que prevê que os logs sejam deletados após três meses. Estou tentando apoiar essa iniciativa. Uso o Google para fazer buscas quando não consigo bons resultados no Yahoo!.

Podemos confiar no Google?
O Google opera segundo seus próprios interesses. Isso inclui vender anúncios direcionados, fornecer divertidas e poderosas ferramentas online e defender o que desejam os seus acionistas. A segurança dos dados dos usuários é parte importante do sucesso da empresa, então acho que eles se dedicarão ao máximo para proteger as informações e a própria reputação. Contudo, as companhias mudam com o tempo. Pergunte a si mesmo: o que a maioria das empresas faria se pudesse aumentar o lucro comprometendo um pouco da privacidade do usuário,
especialmente em tempos de economia em crise? Teremos que esperar e ver o que o Google decidirá.
 
 

publicado por animalsapiens às 11:49
tags:

Agosto 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9





mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO