Para falar de gente, de seres humanos, do bicho humano perfectível, apesar de tudo. Do Animal sapiens, mas a partir de agora do "Homo spiritualis", com sua fé e religiosidade muitas vezes confusa, gerando preconceitos, discriminações.

30
Nov 12

"Nossas dúvidas são traidoras e nos fazem perder o que, com frequência, poderiamos ganhar, por simples medo de arriscar". (Autor desconhecido)

publicado por animalsapiens às 09:45

29
Nov 12

O filósofo espanhol da primeria metade do século passado, Ortega y Gasset, escreveu uma frase que sintetiza sua maneira de compreender e interpretar o mundo. Disse ele: eu sou eu e minha circunstância, e se não a salvo, não me salvo eu. Com um pouco de reflexão entendemos que ele nos lembra que não somos seres isolados, independentes e autossuficientes. Se eu 'sou eu e minha circunstãncia', isso quer dizer que sou a soma de mim mesmo, de minhas singularidades, mais as condições - favoráveis ou adversas - do meio e das circunstâncias nas quais estou mergulhado.

 

A vida é um drama (não necessariamente uma tragédia), como ele também nos lembra. Sendo encarada assim, podemos ou não assuimir uma postura madura e realista diante da realidade que nos cerca, ou fugir da realidade, seja pelas drogas, pela ignorância voluntária, pelas rotas de fuga possíveis. Mas as circunstâncias nos perseguem, tanto quanto nossas singularidades, pois são constitutivas de nosso ser.

 

Aprender a conviver com esse estado de coisas, sem necessariamente aceitá-lo passivamente é, talvez, questão de sobrevivência; da manutenção da estabilidade emocional possível e da sanidade mental. O outro caminho é entrar em parafuso num mundo cada vez mais caótico.

 

- por Paulo Santos

publicado por animalsapiens às 09:44

27
Nov 12

O medo é útil, muito útil! Rende discursos políticos, promessas e votos. Pelo medo se controla muita gente. Existe até a 'pedagogia do medo': se você não fizer isso eu te bato! As religiões exploram o medo,... da morte, de Deus e dos deuses, do pecado, do céu, do inferno etc. A elite explora o medo e a ignorância de umas tantas coisas para manipular comportamentos. E tem gente que acha que o 'problema' do medo será resolvido no divã do psicanalista ou com carradas de medicamentos.

 

O medo é constitutivo do ser humano e dos outros seres também. Nos alerta e nos protege dos perigos, mas torna-se patológico quando foge ao razoável e passa a fazer parte do nosso cotidiano, na presença virtual da morte ou do acidente, da arbitrariedade e do abuso. Querem encher as cidades de câmeras de segurança e despejar mais policiais nas ruas para garantir(?) a segurança pública. E tome repressão. Será que isso funciona?

 

Desarmar pessoas, perseguir e prender pessoas, matar pessoas ... nada disso resolve de fato, já que as mentes estão permanentemente armadas, nessa sociedade revirada e sem rumo. Uma nova sociedade, reinventar a convivência, mudar nosso olhar sobre o mundo, ver-me no 'outro', sentir que sou parte da natureza ... Há muito por fazer, sem câmeras ou mais policiais, para termos realmente paz!

 

- por Paulo Santos

publicado por animalsapiens às 10:12

25
Nov 12

Por várias razões, o filme 'As pontes de Madison' é uma bela produção. Primeiro por trazer para as telas uma sutil crítica ao moralismo burguês, tanto estadunidense, quanto de outras partes do mundo. Em segundo lugar, por tomar uma situação bastante comum como eixo temático e, principalmente, por colocar o dilema ético do amor, dividido entre o senso de dever, o autossacríficio, e a plenitude da alma realizando-se num profundo e maduro amor que (re)surge na maturidade.


Um fotógrafo de passagem por uma fazenda, descobre nas conversas com uma dona de casa a possibilidade de realização do amor sem paixão passageira, mas do amor amadurecido pelo tempo e pela experiência. Ao final do filme, aparece o momento da decisão entre o senso de dever e o amor possível. Não vamos tirar do eventual leitor desse blog a oportunidade de descobrir por si mesmo, todos os meandros desse belo filme que não envolve corpos musculosos e figurino caro, mas apenas duas pessoas maduras e amadurecidas vivendo um dilema comum e, talvez, o mais atormentador de todos.


Se 'o coração tem razões que a própria razão desconhece', como escreveu Blaise Pascal, eis uma boa oportunidade de pensar - muito - sobre o assunto !


- por Paulo Santos


......................


Ficha técnica:


The Bridges Of Madison County. 1995.
Ano de Lançamento: 1995
Gênero: Drama, Romance
Direção: Clint Eastwood
Elenco: Clint Eastwood, Meryl Streep e Annie Corley
Produção: Warner Bros. Pictures, Amblin Entertainment

publicado por animalsapiens às 10:03

23
Nov 12

O conceito de civilização apareceu junto com a criação das primeiras cidades. Estas seriam espaços de convivência, segurança, trocas, reciprocidade e tudo o mais que o bicho homem - animal gregário por natureza -, precisa para viver e sobreviver. Hoje as cidades se converteram, por muitas e várias razões, em espaços de disputas e rivalidades, de individualismo e egoísmo extremos.

 

A falta de espírito solidário, de segurança pública, o fracasso do Estado liberal-burguês, com suas promessass jamais cumpridas, a especulação imobiliária, a política de exclusão e de expulsão (quando não de eliminação física) dos mais pobres, as distâncias, os medos, as incertezas ... tudo isso torna o ambiente urbano numa 'não cidade'. As políticas desenvolvimentistas esquecem o humano por trás de tudo e vão amontoando gente, e gente pobre ou em vias de empobrecimento.

 

Fala-se em reinventar a democracia, os modelos políticos, econômicos e de convivência, de modo mais solidário e generoso, mas é preciso também rever e reconceituar o humano, que se perdeu no 'ter' e no 'parecer'. Os comportamentos aberrantes e a agressividade primitiva que explodiram, só podem ser contidos pela revisão dos conteúdos de formação do ser, de um estado de saúde física e emocional dígnas e de um presente que contenha elementos de esperança no futuro.

 

- por Paulo Santos

publicado por animalsapiens às 09:48

22
Nov 12

"Amar é querer se unir a uma pessoa futura, única, a mesma do passado?" - G. Rosa / Tutaméia

publicado por animalsapiens às 09:56

20
Nov 12
publicado por animalsapiens às 09:33

17
Nov 12

MORA NA FILOSOFIA

 

Para Sócrates a essência da filosofia é o conhecimento de si mesmo. Sem que se saiba de si, como saber dos outros? O bom julgador a si se julga, não é mesmo? Cristo santificou o axioma com a resposta que deu a Pilatos, quando perguntado: “O que é a verdade?” “Eu sou a verdade”, Ele respondeu, dando a entender que cada um de nós só pode verdadeiramente conhecer a si mesmo e a mais ninguém. “Eu sou eu e a minha circunstância” – é o que Ortega y Gasset acrescenta ao postulado socrático. A pessoa pode até insurgir contra o que o mundo faz de sua vida, pode indignar, espernear e tentar com ou sem êxito, mudar o mundo, mas acabará confirmando que assumiu a circunstância, mesmo repudiando-a. Queiramos ou não, temos que viver a partir dela. O samba“Mora na Filosofia”, de autor por mim desconhecido, tem lá seu significativo refrão: “Por que rimar amor e dor?”

 

Baruch Spinosa, o mais legível dos filósofos, disse mais ou menos assim: se você aliena a interioridade e cai nos braços da exterioridade, passa a viver fora de si, perde o amor próprio e pode ganhar o ódio dos outros, chegando até mesmo à beira da morte, dentro do perigoso rio das peripécias letais. O ciúme, como o remorso, é um valor pejorativo, um sofrimento degradante, que foge ao âmbito do apetite e do desejo. Monstro dos olhos verdes, como se diz. Desamor de si mesmo pelo super-amor de quem talvez não o mereça? Entre Heidegger e William James fica o paradoxo comportamental na modernidade: a metafísica (o ser) e o pragmatismo (o ter). Paradoxo que pode ser ilustrado pela velha história de quando Deus quer fazer um carvalho, leva vinte anos; e quando quer fazer um pé de abóbora, gasta apenas poucos meses.

 

Kierkegaard: “Grande é alcançar o eterno, mas ainda maior é guardar o temporal depois de a ele ter renunciado (...) . O prodígio foi Abraão e Sara terem sido bastante jovens para manterem acesa a chama do desejo: foi a fé inquebrantável no valor mais alto que manteve neles o desejo e, com o desejo, a juventude”. Theodor W. Adorno: “A masoquista cultura de massa constitui a manifestação necessária da própria produção onipotente” (ele falava da ruindade musical de nosso tempo) “e corresponde ao comportamento do prisioneiro que ama a sua cela porque não lhe é permitido amar outra coisa”. Friedrich W. Nietzsche (cito de memória): “A tendência da filosofia é tornar-se cada vez mais política e até policial”. Michel de Montaigne cita Cícero para dizer porque amava outra pessoa: “O amor é o desejo de alcançar a amizade de uma pessoa que nos atrai pela beleza”. Essa pessoa, que ele amava, quem era? Ele não sabia explicar o quanto amava a quem amava, senão dizendo “porque era ela, porque era eu”.

 

Jean- Paul Sartre: “O homem está condenado a ser livre. Condenado porque não se criou a si próprio, livre porque uma vez lançado ao mundo, é responsável por tudo quanto fizer”. O progresso filosófico (como diz Richard Rorty) não é questão de resolver problemas ou penetrar em mistérios, mas sim, como disse Wittgenstein de “indicar à mosca a saída da garrafa na qual ela está presa”. Anaxímenes, da antiguidade grega: “Assim como toda ordem do mundo está bafejada de ar e brisa, nossa alma é como o ar que nos envolve e domina”. A verdadeira alegria é uma coisa muito séria, diz Sêneca, da antiguidade romana, que também disse: “Vive com os homens como se Deus estivesse vendo; fala com Deus como se os homens estivessem ouvindo”. E o brasileiro Sérgio Paulo Rouanet escreve: “Quanto a Freud, é impossível compreender a ressurreição contemporânea de velhas patologias como o fundamentalismo, o nacionalismo, o racismo, a agressividade interétnica e o terrorismo, tanto o Religioso como o de Estado, sem o auxílio de categorias freudianas como o narcisismo de grupo, a pulsão de morte, o medo de castração e a nostalgia da hora”.

 

Para concluir, algumas pérolas da sabedoria popular (traduzidas da erudita ou a erudita é que se valeu dela?): “Quem não tem couro, não faz trato com cuíca; quem toma a carapuça é porque lhe cabe; quem não pode com o pote, não põe a rodilha na cabeça; cumbuca de pimenta não perde o ardume; em terra de sapos, andemos de cócoras; quem fala do diabo, pisa no rabo; quem tem cabeça de cera não deve pô-la ao sol; Deus dá o toucinho, o Diabo tira o jirau; se tem formiga na escada, tem doce lá em cima; louvor em boca própria é vitupério; o prometer anda nas ancas do dar; quando se procuram porcos, até as moitas roncam; quem de mel se faz, as abelhas lhe lambem; quem o alheio veste, na rua o despe; terra movediça não cria limo.

 

Lázaro  Barreto/Minas Gerais

publicado por animalsapiens às 21:46

Além dos cafezais

Agora sei que consigo partir

Já me despedi da rosa amarela, da branca margarida,

do amor perdido em meio aos cafezais.

Deixo contigo o velho cantil, a boina vermelha,

e algumas gotas

do meu querer derramado no chão.

O sonho eu o reparto ao meio

Mesmo assim ele ainda fica inteiro

porque sonhos sangram, sonhos movem,

sonhos se renovam,

viram prisão ou jardim

e entre prisões e jardins

nascem brotos de liberdade.

 

Deusa Ilário, AP-Brasil

 
publicado por animalsapiens às 10:32

publicado por animalsapiens às 00:10

Novembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

12
15
16

18
19
21
24

26
28


subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO